segunda-feira, 30 de abril de 2007

Ensaio sobre as propagandas de margarina


Uma vez vi uma entrevista com uma ex-menina de rua, hoje jornalista, que quando criança tinha como sonho comer margarina. Estranho? Também achei antes de saber os motivos.
Ela realmente acreditava que se comesse margarina aconteceria, como que num passe de mágica, de ela ter uma casa bonita e uma família feliz como as dos comerciais. Ingenuidade? Simplicidade? Pode ser isso também, mas e você, quantas vezes acreditou que poderia encontrar a felicidade em algo material?
Pode não ter sido margarina, mas talvez um telefone novo, um computador, um carro, uma roupa, uma festa IMPERDÍVEL, uma menina gaaaaaata, um cara que era TUDO... não sei! Mas tenho certeza que todo mundo já passou por isso.
E então vem a pergunta: até quando vamos viver com a ilusão de que podemos realmente encontrar a felicidade em lugares onde ela não está? É mais ou menos como precisar de um médico, mas se aparecer um mecânico já ta servindo.
O mundo tem vendido uma idéia totalmente deturpada do que é a felicidade e onde se pode encontrá-la, mas mesmo que pareça, essa não é a pior parte. O pior é que temos aceitado isso. Temos vivido isso todos os dias e a maioria tem se conformado.
Ah, se as pessoas soubessem que a resposta é bem mais simples do que imaginam... Se soubessem que alguém morreu por elas pra que elas pudessem ser verdadeiramente livres, felizes...
E você ainda acha que é brincadeira? Vamos fazer o seguinte: qual é a sensação de ter alguém nascendo, vivendo e morrendo só pra que você pudesse ter o melhor? É assim que deveríamos nos sentir. Jesus não tinha motivo nenhum pra vir até aqui, não fosse o imenso amor por cada um de nós.
Sim... cada um de nós, inclusive você, que está desviado, você homossexual, você dependente químico, você que acha que é tão mau que ninguém poderia te amar. Uma boa notícia! Jesus te amou desde o princípio e continua te amando. A decisão de aceitar esse amor é só sua, porque a dEle já foi tomada há tempos atrás. E já que você não tem mais nada a perder mesmo, experimenta! Tenho certeza que a verdadeira felicidade está à sua espera...

terça-feira, 24 de abril de 2007

Unanimidade INTELIGENTE!!!

A unanimidade é INTELIGENTE!!! Certo, certo! Quem sou eu, reles mortal, para discordar de Nelson Rodrigues? Mas acredito que ultimamente, o pensamento de que toda unanimidade é burra tem tomado um significado distante daquilo que seu criador quis expressar. Nem toda unanimidade é burra. Não mesmo. Momento "cult": do latim, unanimis quer dizer nada mais do que duas ou mais pessoas vivendo com um (unus) só ânimo (animus). Simples né? Agora vem você me encher a boca pra dizer com todas as letras que a unanimidade é burra? Na-na-ni-na-não! Pensa comigo: você e seu amado gostam do mesmo tipo de música. Vocês são dois e concordam em alguma coisa, mas não são burros (espero eu que não) por isso, são? Burrice é votar em alguém só porque todo mundo vai votar. Por acaso o Sr. parou pra pensar no que estava fazendo? Nas propostas do sujeito? Burrice maior é dizer que já que todos roubam mesmo é melhor continuar como está, afinal de contas, "ele rouba, mas faz", não é mesmo? Isso sim é unanimidade burra! BURRA! Burrinha da Silva! Unanimidade inteligente é aquela que nos faz pensar de verdade e não o que aceitamos por ser "vontade da maioria". Se não houvesse unanimidade mínima no movimento dos cara-pintadas, sabe lá onde esse país teria parado. Bem disse Gabriel Perissé, afirmando que a unanimidade inteligente requer a liberdade de distinguir entre o direito que temos em questionar e o dever de comprometer-nos. Que possamos então participar da unanimidade produtiva, inteligente, e finalmente acabar com o mito de que toda unanimidade é burra.